sábado, junho 17

Carlos - 1, Nuno - 2

Esta semana aconteceu muita coisa na Surphace. Para começar bem, na segunda-feira o Kató fez anos e, só por isso, teve direito a prenda. Os restantes tiveram direito a bolo.
Fora do mundo da ficção, o Kató chama-se Carlos e é o estafeta/faz-tudo da empresa. O jovem (23 anos) até está a aguentar bem a “pastilha”, tendo em conta os recordes dos seus dois antecessores.
A “festa” aconteceu na secretária do Costa num ambiente de secretismo, daí termos sussurrado (em vez de cantado) os “Parabéns a você”.








Na quarta-feira foi o último dia do (Nuno) Martins na Surphace. O Nuno partiu para um sitio melhor: o Ludus Group. Aqui deixo os meus desejos de boa sorte.
Foi com muita pena que o vimos partir, mas todos sabemos que mais cedo ou mais tarde teremos que nos separar. Esperemos que o motivo seja sempre a partida para um emprego (pura e simplesmente) melhor.
O Nuno também teve direito a prendas (haja dinheiro!), mas nós não vimos bolo nenhum. O que me pareceu muito injusto.










Para o gran finale, sexta-feira foi o último dia de sofrimento do Nuno Bernardo – AKA Nuno das Trancinhas, AKA Inspector Trancinhas. Felizmente para o Trancinhas, ele era apenas um estagiário. Digo felizmente porque ele só estava na empresa dois dias por semana e porque ele regressa à escola - AKA boa vida.
O que me voltou a parecer mal foi que este rapazinho também não trouxe bolo, ou qualquer outra iguaria. Nada! O jovem não nos deu nada! Mas também teve direito a prenda! O que vale é que foi uma prenda pequenina... Desta celebração não houve fotos devido à presença constante da chefia na empresa. No entanto, encontrei uma foto do estagiário nos nossos arquivos. Ela serve para ilustrar a boa peça que ele era. (Deixo o trocadilho “boa peça” para interpretação livre de cada um de vocês, passando assim a responsabilidade por aquilo que a frase possa querer insinuar).

Sem comentários: