segunda-feira, julho 24

Viagem no tempo

Fez ontem uma semana (não foi preguiça, o blogger é que não me deixa fazer upload das fotos e eu cansei-me de tentar), fiz uma visita à feira medieval de Óbidos e não consegui deixar de pensar se naquela época a vida seria realmente mais simples. Com a sociedade dividida em três (Nobreza, Clero e Povo), imagino que o equivalente à minha actual ocupação seria algo como carregar pedra para construir igrejas ou misturar pigmentos para um qualquer pintor afamado.
Os Descobrimentos estavam no início, por isso nada de batatas, laranjas doces, chá ou especiarias. A peste era a doença do momento, o prato do dia era porco semi-cozinhado com castanhas cozidas e ai de quem se atrevesse a não ir à igreja! (Pobres Judeus, estavam sempre na mira!)
É com esta análise superficial (nem me atrevo a aprofundá-la) que chego à conclusão que viver na Idade Média não era pêra doce e fico espantada de nenhuma obra da altura falar de esgotamentos nervosos ou de stress. Agora o século XXI não me parece nada mau!
A Feira é muito catita e vale a pena visitá-la (agora só para o ano).
Ao olhar para o castelo de Óbidos coberto de brasões, tendo como fundo um céu estrelado e o som de gaitas de foles e tambores, senti-me na Idade Média até o telemóvel tocar.

1 comentário:

Rita Oliveira Dias disse...

Não falavam de stress mas a loucura está bem documentada!Abraço