quarta-feira, maio 2

A Caminho De Casa


As coisas são sempre iguais. Eu sentada cá atrás, a dormitar, a pensar no que vai ser o jantar. A pensar que nunca mais chega a sexta-feira. O caminho é sempre o mesmo, os carros que passam ao lado também. Eles lá à frente vão quase sempre calados. Quando vai o Filipe ao volante resmunga para o trânsito, especialmente quando são velhotes de boina. O David prefere cantarolar lado-a-lado com a música que sai do rádio. Tanto nada a caminho de casa.

} ---------- translation ---------- {


On The Way Home

Things are always the same. I'm seated in the back, half asleep, thinking about what's going to be the supper. Thinking that friday never comes. The road is always the same, the cars that pass on the side also are the same. They, in the front, are quiet almost all the time. When is Filipe on the wheel he mutters for the traffic, especially to old men with berets. David prefers to sing-a-long side by side with the music that comes out from the radio. So much nothing on the way home.

2 comentários:

Salamandra Pintarolas disse...

gostei especialmente deste post...
Talvez porque para mim são os nadas que compõem o tudo; a massa ou o cimento que liga e torna firmes os grandes momentos - os tudos.
Acho mesmo que a vida não sabe a nada se não soubermos apreciar estes nadas...

Sara disse...

:)