quinta-feira, junho 28

A Igreja do Castelo

{Igreja de Santa Maria do Castelo, Lourinhã} {foto: Dias dos Reis}

Quando era miúda corria à tua volta. Joguei contigo à apanhada e às escondidas, depois de ir à campa da avó colocar flores frescas dar um beijinho no retrato de uma cara que não me lembro de ver ao vivo. Corria à tua volta porque a mãe me dizia que não era bonito andar a correr pelo cemitério.
Quando estavas aberta refugiava-me dentro de ti e tentava adivinhar que reis e rainhas estariam sepultados por debaixo daquelas pedras enormes gravadas com letras quase irreconhecíveis.

Foi pela tua porta que a mãe e o pai saíram casados. Foi pela tua porta que a Esperança e eu saímos baptizadas. Foi pela tua porta que um dia em Abril saí com asas de anjo e com um vestido roxo comprido que cheirava a naftalina e picava. Foi pela tua porta que a mãe saiu dentro de uma caixa e nunca mais voltou. Por isso já não gosto de ti. Nem de correr no cemitério. Para mim acabou-se o amor pela Igreja do Castelo. Não há beleza, história ou fascínio que me façam esquecer e muito menos perdoar.


} ---------- translation ---------- {


When I was small I ran around you. After placing fresh flowers at grandmother’s grave and kiss the picture of a face that I don’t remember to see alive, I played catch and hide and seek with you. I ran around you because mother said that it wasn’t nice to run in the cemetery. When you were open I took refuge inside you and tried to guess what kings and queens were buried underneath those enormous stones engraved with almost unrecognizable letters.

It was by your door that mother and father left when they got married. It was by your door that Esperança and I left when we were baptized. It was by your door that, one day in April, I left with angel wings and with a long purple and itchy dress that smelled like naphthalene. It was by door that mother left inside a box and never came back. So, I don’t like you anymore. And I don’t like running in the cemetery too. I’m done loving you. There’s no beauty, history or allure that can make me forget much less forgive.

5 comentários:

wednesday disse...

Como a luz de um novo dia pode mudar os tons com que vemos as coisas... :(

Anónimo disse...

muito bonito!

Salamandra Pintarolas disse...

Parece que as estórias escritas se tornam mais bonitas e ao mesmo tempo mais irreais... Muito bom!

Anónimo disse...

Sarita, só tu para descrever de forma tão deliciosamente cinematográfica um sentimento que dificilmente "se escreve"! Mais uma vez, LINDO! :) beijo

Rita

Sara disse...

Obrigada.