sexta-feira, maio 30

Welcome To The Good Life!

"I go for mine. I got to shine."


{Good Life _ Kanye West}

É hoje! Hoje começa o descanso, ou melhor - os dias de trabalho com um horário normal. Hoje podemos recostar-nos e admirar o que fizémos. (Bom, para alguns velvetianos é só na segunda-feira, mas não interessa, o pior já passou.)

----------




{Foi a EDP que nos andou a tirar o sono...}

----------

Mais aqui.

terça-feira, maio 27


{Out Of Africa _ directed & produced by Sydney Pollack}

Actor, realizador e produtor, morreu ontem, aos 73 anos.


segunda-feira, maio 26

21:43


Exausta. Ainda na Velvet. Sozinha. À espera que o iMac pense, armazene, registe, salve. Vou arrumando a tralha. A minha boleia está a chegar para me levar a mim e ao trabalho para casa. Descansas para a semana - diz o Rui. Hoje devia ser sexta-feira.

sexta-feira, maio 23

A terça-feira acabou por não ser um dia como os outros. Transformou-se num daqueles dias a não esquecer. De repente ter trabalhado no fim-de-semana (e tudo o que isso acarreta para além do cansaço) valeu a pena. A Velvet continua a crescer e eu cresço com ela.


terça-feira, maio 20


Hoje é um dia como os outros. O tal dia normal pelo qual se anseia. É um dia como os outros, mas como os de há muito tempo, não como o de ontem ou anteontem - que estiveram ligados, sem sono, e foram um enorme dia de 48 horas - um dia corriqueiro, quotidiano, sem cortes de cabelo nem aniversários. Sem ser mais feliz ou menos triste. Um dia que começou à pressa mas sem se dar por isso. Um dia que se vive e se aprende sem saber. Um dia que liga todos os outros. Um dia esquecível.

à Mimi

sábado, maio 17

Denouement

{Amour et Barbelés _ L' Amour sous L' Occupation
Jardin des Tuileries _ Paris - 1944 _ Robert Doisneau}

É o que me falta. Um desfecho. Para que possa começar de novo.
Denoument (não sei porquê a palavra soa-me extraordinariamente bem em inglês, até melhor do que no francês original), uma conclusão a encerrar os assuntos pendentes, a passar-lhes revisão, a espremer-lhes todo o sumo e desatar todos os nós. Depois virá a catarse.

quarta-feira, maio 14

{Havia uma menina de casaco vermelho a correr atrás dos pombos. Um cão a dormir de barriga para cima. Duas senhoras a comer sorvete. Três bancos ao sol. O Mosteiro nas minhas costas.}

Fechei os olhos. Hoje não levei nem livros nem música. A Keffa atrasou-se.

Não quero admitir que sou uma desistente. Que posso vir a ser uma desistente, que é mais fácil sê-lo e que nos dias de hoje ninguém o recrimina. Agora todos abandonam as coisas difíceis. As coisas difíceis dão trabalho e tudo se quer simples e dado de presente. Recebido por mérito. Por ser boa pessoa.
Durante um milésimo de segundo senti-me sozinha e fria. O tempo demorou a passar, fiquei presa, tensa, de perna casualmente traçada e mãos nos bolsos. Queria começar a andar e nunca mais parar, seguir a pé até onde o meu corpo resistisse, receber comida e abrigo de estranhos, desistir, começar de novo sem escolhas. Começar de novo porque calhou.

Abri os olhos e fugi. A cobardia impediu-me de desistir, o medo de não ter medo travou-me. Imaginei um ombro onde encostei a cabeça. Um velho disse: A vida é isto. O ciclo continua.

segunda-feira, maio 12

Vestígios

{A Kika desce do seu abrigo anti-aspirador}

Ao Domingo muda-se a roupa da casa. Faz-se a cama de lavado, os cobertores são postos a arejar, trocam-se os panos da cozinha, as toalhas e lençóis de banho tomam o seu lugar no cesto da roupa suja.
O chão é aspirado e lavado e os tapetes sacudidos. Limpa-se o pó e a casa-de-banho. Arruma-se a papelada que se acumula durante a semana e dobra-se a roupa branca. Tudo para na segunda-feira começarmos de fresco.
Mesmo assim há pó que se esconde nos cantos e jornais antigos na sala. Há vestígios dos dias que passaram que ficam por apagar. Uns esquecidos, outros escondidos.

sexta-feira, maio 9

Apanhada em flagrante

À saída do ginásio dou por mim preocupada com alguém com quem nunca me tinha preocupado a sério - a angústia de ter um amigo sem dar por isso. Pelo menos cá dentro. 

Não me importei por fazer figura de parva e liguei a perguntar se estava bem. Disse que sim. Não acreditei, mas fingi.

----------

À meia-noite e meia dou por mim adormecida no sofá. 
{Para falar a verdade foi ele que deu comigo e não foi a primeira vez.} 
Ainda embriagada pelo sono, lavo os dentes e volto ao computador para cumprir uma promessa. 
Deixo sempre tudo para o último momento possível: adio, protelo, dilato, mas vai ficar feito.

terça-feira, maio 6

Consthipahdah

e toda marada! Nariz entupido, ranhoca com fartura, dores nas cruzes e tudo!

segunda-feira, maio 5

14,32 Kcal

são as calorias de um rebuçado Halls Mel e Limão. Só para que saibam. Calculei através da regra de três simples. Talvez esteja a fazer dieta há demasiado tempo. Parece-me que sim.


As melhores coisas da vida não são coisas

{STNCLRVLTN _ Stencil Revolution}

Li aqui hoje de manhã e fez sentido. Fez sentido apesar dos abraços e beijos do H. e do M. me terem passado uma constipação, apesar das pessoas que partiram (e das que fugiram), apesar de todas as outras coisas que ficam por dizer.

Os silêncios confortáveis, o coração que nos aquece, dormir de mão dada. Saber que não está tudo bem e saber que não faz mal porque as melhores coisas da vida não são coisas.