segunda-feira, setembro 8

Acabo o Domingo a dobrar meias, a preparar-me para o fim da época das sandálias. Estão quase todas muito velhas - as meias. Grande parte delas têm riscas ou bonecos ou uma combinação de ambos. Estão desbotadas, com os elásticos partidos, relaxados - não deito nenhum par fora. (Não tenho coragem.) Calço um par, vermelho com riscas rosa e um gato roxo com uma coroa de rei. Estão muito velhas - as meias - incapazes de enfrentar um dia inteiro, preparadas para abrir caminho aos sonhos. Invento um conto-de-fadas, imagino que a minha mãe - foi ela quem me comprou todas estas meias - me veio visitar e que me ajudou a calçá-las antes de adormecer: as meias que me deu no (seu) último Natal.

O Inverno passado comprei algumas, mas por uma estranha coincidência são todas pretas. Trago os pés quentes. E mais nada.

Sem comentários: