quinta-feira, setembro 25

das leituras com vista para o mosteiro

"Porque o amor, por definição, é um dom não merecido; ser-se amado sem mérito é justamente a prova de um amor verdadeiro. Se uma mulher me diz: amo-te porque és inteligente, porque és honesto, porque me dás presentes, porque não andas no engate, porque lavas a louça, sinto-me decepcionado; este amor tem o ar de ser qualquer coisa de interessado. É muito mais bonito ouvir: estou louca por ti apesar de tu não seres nem inteligente nem sério, e embora sejas mentiroso, egoísta e safado."

A Lentidão, Milan Kundera

3 comentários:

Salamandra Pintarolas disse...

O amor, ou é cego, ou vê de mais, e torna-se interesseiro... digo eu.

Sara disse...

Acho que o ideal é ser cego de um olho e míope do outro.

Salamandra Pintarolas disse...

... e quando, inexplicavelmente, começa a ver... ai, quando ele vê...
:D:D:D