sexta-feira, junho 19

Repetições

Aos poucos fui-me cansando, quase sem dar por isso. Sigo. Mantenho o rumo, quero chegar ao destino. O comboio continua a parar só em apeadeiros. Penso em mudar de linha. Procuro mudar, mas perdi o mapa. Vou ganhando apego às coisas mecânicas que se repetem sem medo, sem surpresas, sem comportamentos imprevistos: semáforos (vermelho/amarelo/verde), interruptores (ligado/desligado) e maçanetas (aberto/fechado). Coisas que se arranjam ou deitam fora, sem trabalho e sem pesar. Sem falsos sentidos.

1 comentário:

Anónimo disse...

Bonito!
Bj
Mimi