quarta-feira, fevereiro 10

Casa

Salvei a Alice no País das Maravilhas, o Doutor Jivago e o Miguel Strogoff. Também guardei o Papillon e muitas outras edições velhinhas de capa mole. Trouxe colchas, naperons, bordados e umas calças do meu pai. (O nosso T2 não tem espaço para os restos de tantas vidas.) Trouxe o Lulu - o meu coelho branco - e as caixas de folha da despensa. Vi a minha ama, que me reconheceu ao longe e chamou por mim e conversei conversas de crescidos com a minha tia. Confirmei que o meu pai e a minha mãe não vão voltar das férias e que há pessoas que não conheço que vão viver para a nossa casa.


-----

Faz-me falta a minha família de agora. Todos os dias espero a carrinha do Ulmar. Nunca mais me deram empadas.

2 comentários:

Lívia disse...

Quem disse


Quem disse que esta ausência te devia? Quem pensou que esta denúncia se enganava?
Que um dia era pior que outro dia,que à noite era melhor porque sonhava?

Quem disse que esta dor te pertencia? Quem pensou que este amor me perturbava?
Que o longe era mais perto se fugias, que o dentro era mais longe porque estavas?

Quem disse que este ardor te evidencia? Quem pensou que esta pena me cansava?
Que calar era pior se te despia, que gritar era pior se te largava?

Quem disse que esta paixão me curaria? Quem pensou que esta loucura me passava?
Que deixar-te era paz porque corria, que querer-te era mau porque te amava?

Quem disse que esta paixão te espantaria? Quem pensou que esta saudade me rasgava?
Que tudo era diferente se te via, que o pior era saber que aqui não estavas?

Quem disse que esta ternura te devia? Quem pensou que este saber se enganava?
Neste langor crescente que crescia, neste entender de nós que cintilava?


Maria Teresa Horta

:)Lívia

Filipe disse...

epá o Ulmar agora dá-te empadas. heheheee
Beijinhos